Buscar
  • SUSTENTABILIDADE | Adriano Gomes – Engenheiro

POR QUE PAGAR PELA ENERGIA ELÉTRICA, SE PODEMOS PRODUZI-LA? - Sistema Fotovoltaico Conectado à Rede


O SFCR – Sistema Fotovoltaico Conectado à Rede – traz diversos benefícios ao sistema elétrico e ao meio ambiente, pois produz energia elétrica de forma limpa, silenciosa e no próprio local de consumo, diminuindo os gastos do dinheiro público com construções destinadas a geração e distribuição da energia.

Vale lembrar que apesar da maior parte de geração de energia brasileira ser considerada de fonte renovável (hidrelétricas), as construções dessas estruturas geram um grande impacto ambiental e em alguns casos até mesmo um impacto cultural.

A geração de energia solar, evita ainda o uso de fontes ainda mais nocivas, como as termoelétricas.

Esse sistema, em geral, pode ser integrado a arquitetura das edificações aproveitando-se de áreas antes não utilizadas, como telhados, coberturas e áreas com bastante incidência de radiação solar.

A ANEEL aprovou uma regulamentação para criação de Energia Solar Fotovoltaica, que vem resolver alguns problemas como a divergência de horários de criação de energia e horários de uso. Os fotovoltaicos geram eletricidade durante as horas de sol, porém em geral, nosso maior consumo é noturno.

Durante o período de geração, os Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede inserem potencial elétrico na rede de distribuição, o que faz o medidor de energia girar ao contrário, criando créditos energéticos que podem ser resgatados nos períodos de pouca ou nenhuma insolação.

Ou seja toda a energia produzida, será descontada na conta de luz, tornando- a assim mais barata.

O esquema abaixo demonstra como funciona o Sistema Fotovoltaico Conectado à Rede:

Em alguns países europeus já se pode vender a produção de energia excedente. Aqui em terras Tupiniquins, por enquanto é possível apenas gerar sua própria energia e fazer a troca por créditos energéticos, que podem ser acumulados por um período de até 3 anos. Mesmo assim a instalação do sistema é vantajosa em frente ao alto valor da energia elétrica praticado em nosso país.

Ainda com um custo um pouco elevado, os benefícios do investimento logo ficarão evidentes. Lembrando que tudo que tem uma demanda maior, acaba tendo o seu preço diminuído, ou seja, quanto mais pessoas aderirem ao sistema, mais barato ele irá se tornar.

Veja esse exemplo :

Vamos utilizar como base para o exemplo uma residência com o consumo mensal médio na ordem de 200 KWh/mês e o custo do KWh = R$ 0,59. Supondo que o consumo (KWh/mês) e o custo por KWh mantenham-se os mesmos pelos próximos 25 anos (a vida útil do sistema fotovoltaico é de 25 a 30 anos), esta residência que não possui o sistema fotovoltaico de geração de energia solar terá gasto o valor de R$ 35.000,00. Lembrando que não estamos contabilizando os reajustes anuais impostos pelas distribuidoras.

Agora vamos analisar a mesma residência com geração própria de energia elétrica com o sistema fotovoltaico.

- Custo médio de implantação do sistema = R$ 14.700,00

-Taxa mínima cobrada pela concessionária de energia elétrica pela disponibilidade da energia = R$ 18,00 /mês

Custo total ao longo de 25 anos = R$ 20.100,00

Portanto:

O período de retorno do seu investimento é de aproximadamente 10 anos! Menos da metade da vida útil do seu sistema fotovoltaico. E se considerarmos um reajuste anual de 6% ao ano, que historicamente é cobrado pelas concessionárias, o período de retorno cai para 8 anos!

Vale lembrar aqui que você precisa sempre contratar especialistas para fazer o projeto, dimensionamento, instalação e regulamentação do sistema, nem todo posicionamento é ideal para a geração de energia. Procure um profissional e otimize o seu investimento.

Abraços e até a próxima.

#Sustentabilidade #DicasdeElétrica

135 visualizações